Aconteceu no LISA

Auditório do LISA. Rua do Anfiteatro, 181 - Butantã, São Paulo

Hêmba é um fotolivro composto por mais de 80 imagens produzidas pelo fotógrafo indígena e antropólogo Edgar Kanaykô Xakriabá ao longo da sua trajetória. Edgar Xakriabá é fotógrafo e antropólogo e pertence à Aldeia de São João das Missões, no norte do estado de Minas Gerais. O título Hêmba, na língua Akwẽ, remete a  “alma e espírito” e a sua tradução alude à concepção de “fotografia e imagem”. 

Aguardamos você!

Galeria Vermelho. Rua Minas Gerais, 350 - Higienópolis, SP.

 

Fotô Editorial convida para o lançamento do fotolivro Hêmba, de Edgar Kanaykô Xakriabá!

Sinopse:

Hêmba é um fotolivro composto por mais de 80 imagens produzidas pelo fotógrafo indígena e antropólogo Edgar Kanaykô Xakriabá ao longo da sua trajetória. Edgar Xakriabá é fotógrafo e antropólogo e pertence à Aldeia de São João das Missões, no norte do estado de Minas Gerais. O título Hêmba, na língua Akwẽ, remete a  “alma e espírito” e a sua tradução alude à concepção de “fotografia e imagem”.

Hêmba nasce após um longo e profundo mergulho de edição no acervo do autor, que é formado por mais de 2 mil imagens. Os textos da obra são apresentados nas línguas AKWĒ, português e inglês. Além de fotografias, o livro apresenta fragmentos de textos escritos pelo autor Edgar Xakriabá. A organização, edição das fotografias e o texto de apresentação são assinados por Fabiana Bruno. O fotolivro apoiado e financiado pelo PROAC é o primeiro de uma série que integra o propósito da Fotô Editorial de publicar fotolivros de fotógrafos e fotógrafas indígenas.

O projeto tem uma parceria com o Centro de Estudos Ameríndios (CEstA) da Universidade de São Paulo (USP), que terá uma versão digital de Hêmba no seu repositório digital CEstA Publica.

Ficha técnica

Fotografias e textos:
Edgar Kanaykõ Xakriabá

Edição e texto de apresentação:
Fabiana Bruno

Design gráfico:
Fábio Messias e Nathalia Parra

Coordenação Editorial:
Elaine Pessoa

Publisher:
Eder Chiodetto
Fotô Editorial

Aguardamos você!

Rua Rêgo Freitas, 530, Sobreloja, República, São Paulo, SP

O Laboratório de Imagem e Som em Antropologia convida a todos para a sessão dupla de exibição que acontece no próximo dia 22 de novembro, quarta-feira, a partir das 19h., dos filmes “Tabuluja” (Acordem!) e “AfroSampas”. Ao final haverá bate-papo com a diretora e antropóloga Rose Satiko Gitirana Hikiji

“Tabuluja” (Acordem!) (2017, 11 min). Criação colaborativa de Shambuyi Wetucom com os antropólogos Rose Satiko Gitirana Hikiji e Jasper Chalcraft. Neste curta Shambuyi Wetu, artista da República Democrática do Congo, constrói com suas performances narrativas, a experiência da diáspora e a situação do refugiado no mundo.

“AfroSampas” (2020, 43 min). Mais de meio século depois dos Afro-Sambas, de Baden Powell e Vinícius de Moraes, e com a chegada de artistas de diferentes países da África, em São Paulo, a presença africana na música brasileira tem se manifestado de diversas formas. O que pode acontecer quando músicos dos dois lados do Atlântico são colocados em contato, na cidade onde vivem?

Documentários fazem parte do projeto de pesquisa "O Musicar local: novos caminhos para a etnomusicologia”. Projeto tem o objetivo de analisar a diáspora africana criativa no Brasil, promovendo encontros entre músicos africanos e brasileiros, que vivem em São Paulo, compartilhando sons e explorando questões musicais e sociais.

Rua Maria Antônia, 258 - Vila Buarque. Próximo à estação do metrô Higienópolis do metrô.

Laboratório de Imagem e Som em Antropologia (LISA) convida a todos para o evento “Afro-Sampas: diáspora criativa africana em São Paulo” que acontecerá nos dias 4 e 6 de outubro e será gratuito!

6 DE OUTUBRO

Sessão 1: Performance "Bagagem", com Shambuyi Wetu (República Democrática do Congo)
Das 14h às 16h
Local: Saguão e cinema
Exibição do filme "Tabuluja (Acordem!)" E debate com diretores: Rose Satiko Gitirana Hikiji, Jasper Chalcraft e Shambuyi Wetu.

Sessão 2: Exibição do filme Woya Hayi Mawe - Para onde vais? E debate com diretores: Rose Satiko Gitirana Hikiji e Jasper Chalcraft
Das 17h às 19h

O evento será na Rua Maria Antônia, 258 - Vila Buarque. Próximo à estação Higienópolis do metrô. Contamos com a sua presença!

Equipe LISA Online

Rua Maria Antônia, 258 - Vila Buarque. Próximo à estação Higienópolis do Metrô

O Laboratório de Imagem e Som em Antropologia (LISA) convida a todos para o evento “Afro-Sampas: diáspora criativa africana em São Paulo” que acontecerá nos dias 4 e 6 de outubro e será gratuito!

4 DE OUTUBRO

Sessão 1: Masterclass, com os músicos Yannick Dellass (República Democrática do Congo) e Meno Del Picchia (Brasil).
Das 14h às 16h
Local: sala multiuso - 2° andar

Sessão 2: exibição do filme Afro-Sampas seguida de debate com diretores e protagonistas.
Das 17h às 19h
Local: Sala Cinema
Debate: Yannick Dellass, Meno Del Picchia, Rose Satiko Gitirana Hikiji e Jasper Chalcraft.

O evento será na Rua Maria Antônia, 258 - Vila Buarque. Próximo à estação Higienópolis do metrô. Contamos com a sua presença!

Equipe LISA Online

Rua do Anfiteatro, 181 - Butantã, São Paulo

O Laboratório de Imagem e Som em Antropologia (LISA) juntamente com o Grupo de Antropologia Visual (GRAVI-USP) convida a todes para o primeiro dia do ciclo "Como você edita? Ciclo de conversas sobre fotolivros e processos". O primeiro encontro acontecerá no dia 22 de setembro de 2023, às 14h30 no Auditório do LISA que se encontra na R. do Anfiteatro, 181 - Butantã, São Paulo. No encontro, Andressa Cerqueira abordará o processo criativo e as referências para a criação do projeto Histórias nem tão reais, que alia literatura e fotografia por meio de heterônimos. Serão apresentadas as principais inspirações que influenciaram o trabalho e os fotolivros que compõem o projeto.

Andressa Cerqueira é pesquisadora e editora de livros fotográficos. Possui bacharelado em fotografia pelo Centro Universitário Senac (2013). Em 2014, começou a trabalhar no Estúdio Madalena, onde por quatro anos fez a curadoria de títulos para Livraria Madalena e, a partir de 2017, passou a fazer a produção e coordenação editorial para a Editora Madalena. De 2020 a 2023, realizou pesquisa e catalogação de livros fotográficos para a Base de Dados de Livros de Fotografia. Também é criadora do projeto Histórias nem tão reais, que publicou quatro fotolivros: Um dia seremos famosos e nada disso vai importar (2018), Um dia seremos famosos (2018), Intimidade Miojo - Sam Terri (2017) e Matrioska - Ella A. (2013).

Cine Sesc - Rua Augusta, 2075

Uma comitiva de sete representantes dos povos Aparai e Wayana vêm a São Paulo neste final de semana apresentar seus cantos e lançar um documentário que finalizaram recentemente. Lideranças e professores em suas aldeias de origem, na Amazônia, eles vivem em uma região do norte do Pará, nas Terras Indígenas Parque do Tumucumaque e Rio Paru d’Este, e vão viajar mais de três mil quilômetros, se deslocando em barco, avião, carro e novamente avião.

O grupo irá se apresentar em duas ocasiões: no Sesc Santo André, domingo (dia 13 de agosto) às 14 horas, quando apresentarão seus artefatos, cantos e danças, além de estarem disponíveis para uma roda de conversa com o público; e na terça-feira (dia 15 de agosto) às 20 horas no Cine Sesc, quando vai acontecer a estreia do documentário "Bibiru: kaikuxi panema". O filme tem como protagonista um cachorro que deixou de ter sorte na caça e retrata a tentativa de seu dono em curá-lo, enquanto ensina aos mais jovens sobre os valores ancestrais de seu povo. A história foi totalmente filmada por realizadores Wayana e Aparai na aldeia Bona e faz parte de uma trilogia sobre os regimes de produção de alimentos pelos indígenas: o primeiro trata da pesca, o segundo da coleta do açaí e este terceiro da caça.

O lançamento do filme contará com a presença dos principais realizadores indígenas e seus parceiros, que responderão a perguntas do público. A programação gratuita faz parte do Agosto Indígena organizado pelo Sesc-SP, evento que conta com cerca de 150 atividades com povos originários na capital, interior e litoral do Estado.

A realização do evento é do Sesc-SP em parceria com o instituto Sawe, o Laboratório de Imagem e Som em Antropologia da Universidade de São Paulo, a Associação dos Povos Indígenas Wayana e Aparai, e teve apoio do Iepé, Instituto de Pesquisa e Formação Indígena.

O LISA divulga a Mostra Itinerante de Filmes Etnograficos Prêmio Pierre Verger/edição 2022, onde será exibido o filme Afrosampas, de Rose Satiko e Jasper Chalcraft.

Link para inscrição: https://forms.gle/HnxgUTByvnWYDgMw8 

Link do canal do LABOME e do LEPPAIS onde será transmitido:

 https://youtube.com/@LabomeVisualidades 

https://www.youtube.com/@leppais/streams

#laboratorio #lisa #usp #sp #saopaulo #pierreverger #premio #mostra #filme #etnografia #filmeetnografico

-
Auditório do LISA - Rua do Anfiteatro, 181 - Colmeia, favo 10

O LISA divulga o curso de extensão O caminho do Alabê - Metodologia de Raquel Trindade, que acontecerá de forma híbrida (no LISA, presencial, e simultaneamente transmitido online). O curso será ministrado por Vitor da Trindade, neto de Solano Trindade e filho de Raquel Trindade, com Elis Trindade. Fiquem atentos às datas da inscrição pois as vagas são limitadas.

O curso aborda os ritmos dos Orixás, com suas danças e manifestações musicais, incluindo a influência dos mesmos na Música Brasileira. O mote e a referência serão os instrumentistas/sacerdotes dos Orixás, fundamentais na musicalidade brasileira. Os diálogos oferecidos nestes encontros se basearão na metodologia autodidata da Família Solano Trindade, com a fusão entre teoria e prática, e a proposta de movimento, sonoridade e bem estar como epistemologia.

Mais informações em https://sce.fflch.usp.br/node/5178

 

Auditório do LISA - Rua do Anfiteatro, 181, Colmeia - Favo 10

O LISA tem o prazer de exibir o curta Jail Birds no auditório do LISA, dia 23 de junho, às 14h30. Em seguida, iremos discutir o filme com a presença da diretora Kelly Koide.